terça-feira, 14 de setembro de 2010

O tempo-II

« Tudo o que jamais aconteceu, acontece e acontecerá está a acontecer precisamente agora.
Não se pode perceber isto. Não completamente. Mas pode-se começar a perceber.
O tempo não existe, é uma série contínua. É um elemento da relatividade que existe verticalmente, não horizontalmente. Não se pode pensar no tempo como uma coisa da esquerda para a direita- uma chamada linha do tempo- que decorre desde o nascimento até à morte de uma pessoa.
O tempo é uma coisa de altos e baixos! Pensa nele como um fuso, que representa o momento eterno de agora. Agora imagina folhas de papel sobre o fuso, umas sobre as outras. Estes são os elementos do tempo. Cada elemento separado e distinto, contudo existindo cada um simultaneamente com o outro. Todo o papel no fuso ao mesmo tempo! [...] Todos os acontecimentos ocorrem ao mesmo tempo. Este texto está a ser escrito, e ao ser escrito já foi escrito; já existe. De facto é daí que retiras toda esta informação- do texto que já existe. É isso que significa: " antes de teres perguntado, ter-vos-ei respondido".
O verdadeiro entendimento do tempo permite-nos viver muito mais em paz dentro da nossa realidade de relatividade, onde o tempo é experienciado como um movimento, um fluxo, em vez de uma constante. Somos nós que nos movemos, não o tempo. O tempo não tem movimento.
A nossa ciência já o comprovou matematicamente. Foram escritas fórmulas que mostram que se embarcássemos numa nave espacial e voássemos suficientemente longe e depressa, podíamos dar a volta à terra e observar-nos a levantar vôo. Isto demosntra que o tempo não é um movimento, mas um campo através do qual nos movimentamos. O tempo é simplesmente a nossa forma de contar movimentos. Não é o tempo que passa, mas objectos que passam através, e se movem dentro de um campo estático a que chamamos espaço. Os nossos cientistas compreendem que o tempo é uma construcção mental, um conceito racional.[...] É por isso que se fizermos uma viagem no espaço e regressarmos, podemos ter envelhecido apenas 10 anos- enquanto os nossos amigos na terra envelhecem 30! Quanto mais longe e mais rápido formos, mais distorcemos o continuum espaço-tempo.»

Conversas com Deus- Vol.III- Neal Donald Walsh

O tempo

« O tempo está adaptado à tridimensionalidade do mundo onde vivemos actualmente. Na verdade, a densidade do tempo é fractal, dificilmente numerável e definível de forma linear, porque trata-se acima de tudo da velocidade de transformação. Quando há um alinhamento dos quanta em frequências elevadas, o tempo deixa de existir. É aquilo que classificamos como « viver o instante presente». O presente não depende nem do tempo, nem da sua densidade, ele é. Quando tomamos consciência de viver cada momento da nossa vida no presente( sem nos preocuparmos com o tempo), toda a nossa estrutura atómica( e sub-atómica)vibra numa frequência superior de existência. As nossas células não envelhecem mais. Nós paramos o processo de degenerescência. Temos a impressão que o tempo deixou de existir.
Experimentamos actualmente uma contracção do tempo. Com efeito, a nossa percepção de que o tempo passa rápido é justificada. No plano linear, continuamos a ter um dia de 24 horas, no plano quântico, vivemos actualmente dias de menos de 15 horas. Os nossos dias e noites encurtam-se. Donde o estado e fadiga e stress generalizado. Quando uma pessoa medita, a sua consciência dá saltos quânticos por vezes de 2 horas. Quando acorda, parece ter meditado meia-hora... é isto «viver no presente». Encontramo-nos instantaneamente nas dimensões superiores da existência.»

A cura de Urantia- Drovalo Melchisedek