quarta-feira, 30 de junho de 2010

Portugal secreto- A misteriosa civilização tartéssica

Nos finais do séc. XVIII, o erudito e antiquário D. Frei Manuel do Cenáculo Vilas Boas, bispo de Beja, recolher as primeiras inscrições onde se encontra gravada a escrita ibero-tartéssica. Desde essa época várias tem sido as tentativas para ler esses textos, os quais porém, têm permanecido indecifráveis até à actualidade. Alguns investigadores supõem que os caracteres são de origem fenícia, outros afirmam que a língua gravada nas inscrições deriva do grego pré-clássico; outros ainda creêm que se trata de um idioma de origem peninsular aparentado à língua basca.
Durante mais de um século, e apesar de terem sido recolhidos algumas dezenas de inscrições, ignorou-se a sua função, facto que mais dificultou qualquer tentativa de decifração do texto. A partir de 1970, porém, os arqueólogos portugueses conseguiram localizar, no sul do país, um grande número de monumentos funerários, onde foram recolhidas algumas destas inscrições. Foi assim levantada um ponta do veú que cobria este problema: as misteriosas inscrições são lápides funerárias. A localização e estudo destas necrópoles veio permitir a identificação da área ocupada por este povo com o sul do Baixo- Alentejo e Algarve. Desconhecia-se também a época em que teria florescido esta civilização. Escavações realizadas nestes monumentos permitiram situá-los entre os finais do séc. VIII e o séc. V A.C.
Nas sepulturas foram encontradas armas de ferro, cerãmicas de origem mediterrânica, joias fenícias, aneís com escaravelhos egípcios, tudo objectos provenientes do mediterrâneo central e oriental. Porém, a distribuição desta cronologia levantou outro problema. Quem era o povo que entre os sécs. VIII e V A. C., desenvolveu uma cultura tão brilhante nos confins ocidentais do mundo mediterrânico? As fontes clássicas apenas referem, no que respeita à península ibérica, o reino de Tartessos, que a maioria dos arqueólogos pretende localizar na zona da bacia do guadálquivir. Curiosamente, esta civilização entrou em declínio no séc. V A. C., logo após a batalha de atalia, onde os Cartagineses derrotaram os Gregos, vedando-lhes a passagem para ocidente das colunas de Hércules. Nessa época, segundo os autores clássicos, tem início o ocaso da civilização tartéssica.
Estamos, portanto, perante um mistério ainda por decifrar se se trata de vestígios do reino dos tartessos, onde se encontram as suas cidades? Se, por outro lado, se trata de uma civilização diferente da tartéssica, quem foi o povo que a originou? Um povo que no séc. VIII A. C. possuía já uma escrita e que não é mencionado nas fontes clássicas?

terça-feira, 29 de junho de 2010

Monstros, Deuses e fé

Enquanto uma grande parte dos seres humanos se entretém com tricas e malabarismos modistas e seguidismos balofos, a pequena parte que resta, tenta desoladamente manter-se à tona da choça que nos impingiram. Um exemplo flagrante desta situação é a que diz respeito ao modernismo e progressismo. Tudo é modernismo e progressismo, segundo a cartilha da propaganda oficial, o que muito evidentemente, é mentira. E como não poderia ser de outra forma, a modernidade é desafiada, perseguida e publicitada como sendo a verdade absoluta e a única possibilidade do homem ter conforto material e gratificar os seus sentidos físicos. Como se a distracção e o alheamento total nos doutorasse em o que quer que seja. O homem afastou-se tanto da sua essência que se esqueçeu completamente daquilo que é. Cortou a sua ligação natural com Deus. Considera-se à parte e autónomo, mas no entanto, o seu corpo é mortal. E aqui chegados, onde está o modernismo?? O que o homem não quer admitir é que o que morre é o seu corpo físico, e o homem não é um corpo físico. O corpo físico é uma coisa que o homem tem para se movimentar num mundo de matéria como o nosso, e o seu "Eu consciencial" que é aquilo que o homem é, nunca morre, é imortal.
Admitir isto, seria pôr em causa tudo aquilo que se acredita e se tem como verdadeiro, provocando um terramoto no sistema político, religioso, financeiro, cultural, e isto os plutocratas não querem. Haja bom senso e discernimento para se entender esta questão em toda a sua profundidade. A questão da fé nada tem a ver com realizações e ambições materiais, ultrapassa em muito aquilo que possamos imaginar sobre o assunto, e é bem verdade que sem fé, nada seria possível. Mas sem a real noção do que é essa fé e como deve ser utilizada, também não será possível aspirarmos a outros voos.

Quem se lembrar da visita do papa Bento XVI a portugal, lembrar-se-á por certo, de algumas palavras que o papa disse, que são muito elucidativas sobre este assunto.

Torcionocratas e bananas da frolésia

Era uma vez, um reino longínquo no espaço e no tempo, em que os dias eram o dobro dos terrestres e o dia de trabalho propriamente dito, era o triplo ou quádruplo dos nossos aqui na terra. Frolésia, assim se chamava esse mundo, planeta de média dimensão, um pouco maior do que a terra, que orbitava os eu respectivo sol, dramasís, da galáxia de matéria escura, vorponadri, na constelação de Drakis Dravadran ( não visível aos nossos sentidos por ser de matéria escura). Nesse planeta, frolésia, imperava um fascismo económico e um torcionaismo fiscal favorecido por décadas de propaganda democrata, de direitos humanos (falsos) e tretologia associada.
Deslocados no tempo e no espaço em relação à frolésia, também o nosso planeta se debate com esse problema na actualidade. No mundo ocidental, Portugal é a imagem perfeita dessa situação. Impera aqui um fascismo económico a todos os níveis, apoiado e suportado por uma máfia torcionária que também ela usa a propaganda massiva para conseguir este estado de coisas. Mas não só! Aqui no nosso caso, vai-se mais longe. Estupidifica-se as massas, a imbecilização geral segue dentro de momentos..., e aqui estamos nós no meio do bananal. A república das bananas está gradualmente a transformar-se num bananal monitorizada pelos cleptocratas e seus comparsas, os agentes infiltrados, que actuam como o fotão electrónico nos campos electromagnéticos, transportando as influências, os conluios e os interesses de um lado para outro. Mas não se ficam por aqui. O atraso de décadas que o país leva é condição suficiente para não haver volta a dar à situação. E para acabar com as dúvidas, também na frolésia surgiram uns salvadores, quais messias em tempos de antanho, os reis da demagogia e do circo amestrado, o Soncracaland, que aumentou os níveis de atraso para valores ainda maiores. A mediocridade intelectual, o politicamente correcto, o liberalismo exarcebado, a (anti)- democracia, a ditadura do pensamento único, o posicionamento ultra- materialista do homem ( contrariando as suas origens espirituais), e o terrível e falso slogan, só se vive uma vez, são tudo elementos e consequências do fascismo económico e do torcionarismo, sendo o bananal apenas o reflexo daqueles que não querem ver as coisas tal como são.
No caso da frolésia e de portugal a similitude não é obra do acaso.
Os combustíveis subiram novamente no passado fim de semana, está tudo bem, tornou-se banal e ninguém quer saber e também há campeonato do mundo e sabendo-se que o futebol é óptimo para desviar as atenções, nada melhor que umas sopradelas na vuvuzela. Um dia destes, na socratolândia, ainda vamos todos ter de andar de vuvuzela e de pífaro para espantar os nossos males e será vê-los a soprar como doidos enquanto os torcionocratas agitam o bananal.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Ai Portugal, Portugal , o que será de ti

País de chacha este em que vivemos. O país não tem culpa, evidentemente, outrora esta grandiosa nação de Vímara Peres, D. Afonso Henriques, D. Sancho, D. Dinis, D. João I, Nuno Àlvares Pereira e tantos outros, é hoje um país desgraçado, espezinhado e maltratado pelos políticos e agentes económicos.
Com que moral é que estes merdas, é este o termo, merdas, para não lhes chamar coisa pior, que nos desgovernam vêm pedir sacrifícios aos que nada têm a ver com as asneiras cometidas por esses filhos da p.... que passam a vida a f.... tudo, a lamber e a dar cabo de tudo?
Que moral têm esses crápulas de cartola e gravata para fazerem leis altamente nocivas para os trabalhadores e pagadores de impostos deste país? Vejam-se bem as leis que existem em Portugal onde dezenas e dezenas, ou centenas, de criminosos de toda a espécie que fazem com que esses mesmos criminosos, alguns deles presos, continuem a receber rendimentos mínimos!
A primeira página do correio da manhã de hoje (18-06-2010) diz que jovem de 19 anos que roubou 18 mil euros continua a receber ajuda e traficante que vendeu metrelhadora que matou um PJ beneficia de apoio social. Como??? Que vão gozar com a p... que os pariu. Isto era motivo para haver enforcamentos em praça pública. Esqueçam os direitos humanos e toda a tretologia associada, pois isso não são mais do que expedientes para nos roubarem , rebaixarem, maltratarem e ridicularizarem.
Tudo isto é inqualificável, ultrapassa em muito a decência e a indecência. O défice que o paguem do bolso deles, pois são eles os responsáveis desse mesmo défice e quanto ao euro que façam uma fogueira gigante e os queimem todos. Pôr em causa a sustentabilidade e o bem estar dos europeus por causa de uma moeda que não vale os "tarecos de um gato" é um acto de alta traição. Espero que ardam todos no inferno.

terça-feira, 15 de junho de 2010

A verdade no meio do nevoeiro

Tal como D. Sebastião desapareceu numa manhã de nevoeiro, assim está profetizado o seu regresso, também numa manhã de nevoeiro montado num cavalo branco. O cavalo branco simbolicamente, é um estado de perfeição considerado utópico pelas nossa civilizações recentes.
Mas a actual utopia, e esta bem evidente porque a sentimos todos os dias na pele e na alma, é continuarmos a sustentar um sistema económico inimigo de quem lhe dá sustentabilidade. A verdade está no meio do nevoeiro, e de nevoeiro em nevoeiro afastamo-nos cada vez mais do essencial, tornámo-nos pérfidos, perigosos e altamente influenciáveis pelo que temos e pelo que outros têm. Sustenta-se um sistema económico altamente mortal para a civilização planetária, porque o homem actual considera-se muito moderno e progressista, mas na realidade, o homem actual é um ignorante da sua situação e da situação do universo. Tem medo de reagir porque encontra-se dominado pelo fascismo económico mundial, pior do que todos os fascismos juntos. Este fascismo económico mundial engloba muita coisa, desde a economia pura até à geopolítica mundial. Existem hoje grandes monopólios nos sectores energéticos e das telecomunicações porquê? Era bom que as pessoas penssasem um pouco nisso, quem sabe não encontrarão respostas no meio do nevoeiro.

domingo, 13 de junho de 2010

Mais momentos espectaculares de futebol- A saga não pára

Oitavos de final do Itália 90, Alemanha- Holanda. Grande jogo de futebol, intenso, bem jogado, espectacular a todos os níveis. Daqueles jogos em que ninguém merecia perder. A Alemanha vence por 2-1 e no final a Holanda quase que força o prolongamento não fosse um falhanço incrível de Kieft de baliza aberta. Equipas e marcha do marcador, Alemanha: Ilgner; Berthold, Koeler, Augenthaler e Buchwald; Brehme, Hassler ( Bein), Littbarski e Matthaus; Klinsmann e Voller. Holanda: Van Breukelen; R. Koeman, Van Aerle,Van Tiggelen e Wouters; Vanenburg, Rijkaard, E. Koeman( Kieft) e Vant Schip; Van Basten e Gullit( Van Loen). Marcha do marcador, Alemanha 1-0 Klinsmann 50m, Alemanha 2-0 Brehme 84m, Holanda 1-2 R. Koeman 88m.

Grandes momentos de futebol- Anos 80 e 90 0 melhor do mundo

Meias-finais do mundial, méxico 86, Alemanha- França. A grande selecção francesa onde pontificavam Platini, Giresse, Tigana, Fernandez, Amoros, Rocheteau, Ferreri, Genghini, Papin e outros foi mais uma vez eliminada pela sua besta negra, a Alemanha. Já assim tinha sido nas meias-finais do Espanha 82, e mais uma vez, a grande selecção francesa sucumbiu à máquina Alemã. Este não foi um jogo muito espectacular, mas foi um jogo de grande intensidade, lembro-me do 2º golo da Alemanha marcado por Voller no minuto 90. Uma jogada magistral em que Voller finta três adversários, passa pelo guarda-redes françês, Bats, e atira já sem ângulo para o 2-0 final, era o fim do sonho françês de chegar à final. A frança bem que tentou, mas a máquina Alemã não dava hipóteses. Para a posteridade aqui ficam as equipas e a marcha do marcador. Alemanha: Schumacher; Jakobs, Forster, Briegel e Brehme; Eder( Littbarski), Berthold( Allofs), Matthaus e Magath; Rummenige e Voller
França: Bats; Amoros, Leroux, Trésor e Genghini; Fernandez, Tigana, Giresse ( Lacombe) e Platini; Stopyra e Rocheteau( Papin). Marcha do marcador, Alemanha 1-0 Brehme 9m, Alemanha 2-0 Voller 90m.

sábado, 12 de junho de 2010

Grandes momentos de futebol- a saga não pára

Final do mundial méxico 86: Argentina- Alemanha. Depois de estar a perder por 2-0 a Alemanha consegue empatar o jogo a 2 bolas com dois golos aos 73 e 82. Mas mais uma vez o génio de maradona veio ao de cima,e passados dois minutos aos 84, depois de uma jogada magistral de maradona com um passe bem medido a desmarcar burruchaga,a argentina faz o 3-2 final ganhando o mundial. Para a posteridade aqui ficam as equipas e os marcadores dos golos, Argentina: Pumpido; Cucciufo, Brown, Ruggeri e Olarticochea; Batista,Giusti, Enrique, Burruchaga ( Trobiani); Maradona e Valdano. Alemanha: Schumacher; Jakobs, Forster, Briegel e Brehme; Eder, Berthold, Matthaus e Magath (Hoeness); Rummenigge e Allofs( Voller)
Marcha do marcador- Argentina 1-0 Brown 22m, Argentina 2-0 Valdano 56m, Alemanha 1-2 Rummenigge 73m, Alemanha 2-2 Voller 82m, Argentina 3-2 Burruchaga 84m.

A velhice e a verdade

Na sexta-feira passada dava eu uma saída de automóvel para tratar de assuntos, e ouvindo a TSF, deparo-me com uma entrevista ao Sr. Mário Soares. Nunca gostei desse personagem, mas isso nada tem a ver para o caso. E enquanto conduzia vou ouvindo a entrevista, e qual não é o meu espanto, quando o dito senhor traça o diagnóstico perfeito da actual crise que se vai vivendo. Não poderia ser mais certeiro o Sr. Soares, pena é que nos seus tempos não tivesse pensado nisso. É claro que na época dele não existia o neoliberalismo, mas existia já a incúria, o facilitismo, a corrupção e outras coisas mais, mas disso nem uma palavra, evidentemente, faz parte da cartilharia política. Quando eles estão de pé para a cova, lá vem o rebate de consciência, e lá conseguem dizer umas verdades.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

A saga continua- Melhores momentos de futebol

Meias-finais do mundial Itália 90- Alemanha- Inglaterra, vence a Alemanha nos penálties não sei por quantos exactamente, mas sei que foi um enorme jogo de futebol, o futebol tecnicista de Gasgoigne, Platt, Waddle e Lineker sucumbiu à máquina de eficácia que era a selecção Alemã.
A Alemanha com Klinsman, Matthaus, Brehme, Augenthaler, Voller, era uma máquina de jogar futebol. Treinava a Inglaterra Bobby Robson, que no seu jeito tão peculiar no final desse jogo diria algo do género: Ohhhh, what a wonderful game, I´m sad, we loose and we don´t go to the final, but i´m very happy with my players. They played so well, but we were unlucky in this match. E foi bem verdade, a Inglaterra jogou e massacrou uma boa parte da 2ª parte mas a máquina alemã era forte de mais.

Meias finais do euro 1992 na suécia, Dinamarca 2-2 Holanda ( 5-4 pen.), outro grande jogo de futebol, a Dinamarca selecção repescada à última da hora vence o euro 1992, como se fosse a coisa mais natural do mundo,e que grandes jogadores por lá tinha nessa altura: Schmeichel, Larsen, Vilfort, Sivebaeck, Henriksen, Jensen, todos eles já com as malas prontas para entrar de férias quando de repente tudo se alterou e foram campeões da europa.

Final da taça dos campeões Maio 1989, Ac. Milan 4-0 Steuau de Bucareste. Vejam e revejam os dois golos do Van Basten nesse jogo.Os galácticos: Galli; Tassoti, Costacurta, Baresi e Maldini; Rijkaard, Albertini, Massaro e Evani; Gullit e Van Basten.

domingo, 6 de junho de 2010

E a saga continua- O melhor momento de futebol

Houveram jogos de futebol, aos quais tive o prazer de assistir em directo, que foram verdadeiros hinos de bem jogar e bem tratar a bola. O primeiro deles foi o inevitável golo de maradona, o 2º golo do jogo Argentina- Inglaterra quartos de final do mundial 1986 no méxico, aquilo foi uma coisa inimaginável, fintar cinco adversários da linha de meio campo e fintar o guarda- redes e marcar golo foi uma coisa verdadeiramente alucinante, os comentadores ao jogo nem sequer conseguiam dizer nada, de tão estupefactos que ficaram, como ficou toda a gente que estava a ver o jogo em directo como foi o meu caso. Esse golo teve o condão de perdoar o pecado que foi o primeiro golo do maradona nesse mesmo jogo, golo marcado com a mão a partir de um centro efectuado para o interior da área. O resultado final foi 2-1, reduziu John Barnes jogador do Liverpool para a inglaterra. Outro grandioso momento de futebol, que não foi propriamente um momento mas sim um jogo inteiro foi: Final da taça de inglaterra, maio de 1989, Liverpool- Everton, o Liverpool vence a 3 ou 4 minutos do fim por 1-0, golo do inevitável Ian Rush, mas o Everton empata o jogo quase no fim. Festa tremenda no estádio, os adeptos do Everton invadem o terreno do jogo e abraçam os jogadores do Everton e dão-lhes beijos nas faces e cantam com eles, tudo isto a durar quase dois minutos e foi com algum custo que os jogadores do Everton e polícia os tiram dali para as bancadas. Foram dois minutos de uma grande beleza e de uma grandiosa manifestação de fervor e amor a um clube. O liverpool acaba por ganhar no prolongamento por 3-2, e quem se lembrar não deixará de dizer, grande jogo de futebol, sempre com incerteza no resultado final mesmo até ao fim. Já não há jogos destes, apesar de todos os messis, ronaldos, kakás e demais.
Para terminar, por hoje, só um golo que para mim se não foi o melhor golo de todos os tempos desde que começei a ver futebol, foi um dos melhores, Final do Euro 1988, Holanda-CEI( união soviética), o 2º golo da holanda , obra prima do grande Van Basten, vejam e revejam esse golo impossível.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Ai que saudades do futebol das décadas de 80 e 90

Embora não me reveja nesta selecção portuguesa, por motivos vários, gosto de futebol, mas como a minha pessoa não alinha em carnavais mediáticos, não irei seguir o campeonato do mundo. Mas também estou à vontade para dizer que o futebol das décadas de 80 e 90 era muito superior ao actual. A todos os níveis. Jogava-se futebol com alegria, os jogadores gostavam daquilo que faziam e faziam-no sem vaidades e sem chulismos e sem preocupação com os possíveis contratos que poderiam surgir. Hoje tudo é diferente, para pior, os jogadores apenas estão preocupados com a sua imagem, com os contratos chorudos com os clubes e patrocinadores. Futebol bem jogado? Só a espaços, de resto, é lenha e pontapé para a frente e fé em deus, como soi dizer-se.
A selecção alemã do itália 90 era um regalo vê-los a jogar: Augenthaler o esteio da defesa, o 2º Beckenbauer, Andreas Brehme, um lateral esquerdo como nunca mais houve nenhum, talvez só Roberto Carlos e Maldini, Littbarski o das pernas arcadas que era um médio centro fantástico, o já velhino Voller que jogava futebol que metia medo e Klinsmann, que foi juntamente com Van Basten os melhores avançados do mundo dessa época para cá,não houve nem há outros como eles, quer queiram quer não. E não esqueço Van Basten, Maradona, Vanenburg,Matthaus, Lineker( que nunca viu um cartão durante a sua carreira), gasgoigne, Preud´homme, Ceulemans, Vandenberg, Ronald Koeman, Gullit, Rijkaard, Maldini, Roberto Carlos, Gerets, Futre, João Pinto, Rui Costa, Figo, Baía, Couto, Elkjaer Larsen, Lerby, Amor, Michel, Butragueno, Hugo Sanchéz, Olsen, Stromberg, Baresi (doutor da bola) , o melhor líbero do mundo dos últimos anos, Vialli, Albertini, Donadoni, Ronald de Boer ( outro doutor da bola), Roberto Baggio,Hagi ( mais um doutor da bola), Savicevic, Romário, Sócrates( o do mundial 82 e 86 e não o nosso sócretino), Valdo, Ricardo Gomes, Platini, Giresse, Tigana e tantos outros de que não me lembro de momento. Qualquer um destes jogadores jogava à bola, e não estava preocupado com imagens, paneleirices e contratos como acontece actualmente. Não trocava nenhum destes jogadores pelos actuais,mas nenhum mesmo.
E digo mais o futebol das décadas de 80 e 90 era muito superior ao actual, mas de longe em todos os aspectos. Ai que saudades desses tempos!!!

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Os reis da plupolândia

As manifestações de regozijo tão patentes em caracteres mais do que dúbios, são um sinal muito vivo e expressivo da decadência que se vai seguir no curto prazo. Os tempos de antena dos sectores da plupolândia e o seu balmoral resplandescente de humanismo, igualdades, liberdades, direito á diferença ( o que será a indiferença para essa gente...?),e por aí fora, são a machadada final, ou pelo menos a tentativa, nos costumes e nas tradições e em todo o saber ancestral que é o verdadeiro progresso. Afinal, como diriam os ateus materialistas, Deus estava enganado..., não, não estava, ele bem que nos avisou, os tempos estão aí, bem-vindos sejam à execrável república maçónica anti-cristã. Mas nem tudo está perdido, existe uma crença e um poder latente dentro de nós, que tem muito mais importância do que os padrões sociais lhe costumam atribuir. Antes de qualquer reacção, vem a acção, que deve clarificar e orientar os nossos pensamentos e decisões. Só quando houver uma visão conjunta do que está a acontecer é que a reacção será em conformidade,e deixaremos de dizer, não podemos fazer nada, ninguém se preocupa, esquece isso, é assim a vida... Mas essa visão acontecerá,pela boa via ou pela má via, e deswconfio que será mais pela má do que pela boa. Estamos numa época de transição em que haverá mudanças, e os plúpolos que desordenadamente querem casar, atasalhar, amar, emparelhar, como se não houvesse amanhã, perfeitamente cientes, embora inconscientemente, daquilo que os espera. É enorme a fogueira que essa gente ateou, e irão queimar-se e bem nela. Mas tristes deles que nem discernimento possuem para compreender ao de leve o que estão a fazer.
A plupolândia e a sua corja de bobos amestrados vêm reclamar direitos e reconhecimento, querem que eu e todos nós lhe passemos a clamar loas e hinos por gostarem de perversões, e querem ser taxados de modernos e progressistas por causa disso. Ele verão onde os levará esse modernismo deles.....