segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Treinadores de futebol e patetismo

Depois de ouvir e voltar a ouvir as declarações dos dois treinadores no final do Porto- Benfica de ontem, só posso dizer: que declarações patéticas!

Aquilo é asneiras atrás de asneiras, um orgasmo de boçalidades de indivíduos que não têm respeito nem por eles próprios, nem pelos adeptos (os verdadeiros adeptos, que os há, e não os fanáticos alumbrados), nem por ninguém. Esta gente trata o futebol como se fosse uma coutada deles e só deles, pensando que mais ninguém percebe do assunto. Que tristeza, que bananismo, os resultados nas competições europeias estão bem à vista...

O futebol e a estupidez caminham a par

Não é usual neste espaço fazem-se comentários sobre futebol, mas hoje e perante o que vi ontem, sou obrigado a abrir uma excepção. Falando do Porto - Benfica de ontem à noite, diga-se que foi um fraco espectáculo de futebol. O Benfica ganhou bem, aproveitou as oportunidades que teve, mas a maior burrice veio dos treinadores no final do jogo. Só com um povo de atrasados mentais como o nosso são possíveis tais declarações, sempre com as babugices do costume da parte de um indivíduo que tem a mania que é o maior. Esquece-se ele, muito convenientemente, que para aquilo que os jogadores ganham deviam jogar o triplo e correr o quádruplo do que fazem.

Acho piada, na mesma ordem de ideias, a todos os benfiquistas que afirmavam sobre o Lima as maiores barbaridades, ontem era o maior. Da bestialização à glorificação vai um pequeníssimo passo...

É assim o universo da estupidez humana, onde o absurdo e a incoerência tomam conta dos espíritos voláteis. Adeptos de um clube de futebol???? Ahahahahahahah, deixem-me rir, um bando de fanáticos e de gente que não respeita nem conhece os valores do desporto em geral.


Como dizia aqui há uns anos um certo jornalista muito conhecido da praça, portista, mas insuspeito, «Em Portugal não existe cultura desportiva; primeiro gosta-se de um clube de futebol, depois de futebol e por fim de desporto, quando deveria ser ao contrário».