segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Os depravados da política

« (...) As emanações de uma tal cultura malignavam os ares; e nessa atmosfera perniciosa e deletéria livremente viçaram as sociedades secretas, de poder quase majestático, em cujos seios se moldaram os caracteres de muitos daqueles que, com seus diplomas científicos, entraram na vida pública. Eram de ver-se a dos Divodignos, famígera pelo assassínio dos Lentes em Condeixa, a par da dos Invisíveis em Tondela, fundada por um juiz da comarca e um advogado, que chegou a deputado da Nação, fértil em vinganças políticas - incêndios e assassinatos - e degenerada em associação de ladrões.
Daí o coonestar-se com a impunidade o delito político, e com mais funestas consequências no âmago da academia coimbrã por 1835 a 1841, horroroso precedente e desolador presságio para o prestígio da direcção e administração públicas.

(...) No remoinhar da insânia destacavam-se os da república do Carmo, aos quais chamavam de Sicários por verem-nos passear com punhais ao peito e por vezados nos banditismos, sob a chefia de um ex-frade, o que não impediu que um deles morresse desembargador da Relação do Porto. (...) As encobertas sociedades secretas prolificaram nos carrilhos, e delas descendiam legitimamente os grupos de guarda-costas dos chefes eleitorais para garantia da eficiência de seus planos ou êxito das suas maquinações».


In Aspectos da Nossa Guerra dos Cem Anos - Francisco Malheiro, páginas 20 e 21 - Tomo II.