segunda-feira, 7 de abril de 2014

S. Paulo da Cruz, o Físico Quântico do século XVIII

«O ser humano age por necessidades, exigidas pela esfera do humano, como por exemplo, matar a sede, a fome, necessidade de carinho e das realizações afectivas, etc. É a caminhada pela via da Animalidade que, por ser inevitavelmente finita, não aporta nem comporta razões últimas convincentes do ser e agir humanos. Estes adquirirão uma outra dimensão metafísica, após o salto no "vazio" do infinito, que facultará o encontro com o Transcendente Invisível, Ser Puro, última razão do ser humano.

(...) O salto da esfera da Identidade exige que se acabe com os Ídolos, que nos sugam... É o mundo da Animalidade. O 2º princípio (princípio da alteridade) exige uma opção; o mandamento leva-nos à transcendência. É o mundo do divino, ou melhor, o divino vem até nós».


Excerto do livro Contributo para uma outra Qualidade de Vida no âmbito da Bioética Teológica - João Bezerra. Citação do autor feita a S. Paulo da Cruz a páginas 156 e 157.