terça-feira, 30 de setembro de 2014

Os Sócretinos estão de volta

Anda tudo a dormir no país Portugal. Ora então vejam bem no que deu a guerra de facções do PS; o novo secretário-geral do partido PS já mostrou bem ao que veio: Cuidado meus amigos, não há redução do número de deputados na assembleia da república, essa é uma medida populista e perigosa para a Democracia. Ohh coitadinha da Democracia na mão de papagaios destes... tudo é populismo e um perigo quando o risco de se vir a "descobrir a careca" desta gente se torna elevado. Mais um sócretininho em potência!

E as Tvs?, na sua sagacidade informativa, limitam-se a fazer o jogo destes tipos, afinal também elas, sujeitas à perversão dos costumes pagas e financiadas pela elite económica e política que povoa os labirintos das mansardas democráticas. Onde o cheiro da poeira se mistura com o incenso maçónico, e onde o Deus de alguns é como o chouriço e o presunto.

Nas próximas legislativas lá teremos os sócretinos de volta, para nos infernizar a vida e continuar o trabalho inacabado pelo sócretino I. Progresso e crescimento prejudicando muitos e favorecendo alguns (poucos), desenvolvimento tecnológico e novas oportunidades para todos se instruírem na incultura geral, desenvolvimento económico criando uma cultura "de não trabalho e de subsidiodependência", patranhices atrás de patranhices, e  a manutenção da maior carga de esforço de pagamento de impostos da UE. 

Mas será que este povo não acorda!?

1 comentário:

  1. PARA QUE CERTOS SECTORES DE ACTIVIDADE NÃO VENHAM A «FICAR ENTREGUES À BICHARADA»


    É uma actividade complementar à regulação... e faz todo o sentido
    .
    .
    -> No blog "'Fim-da-Cidadania-Infantil'" faz-se referência ao facto de ser necessário uma apresentação sistemática da actividade governamental... para que... quem paga (vulgo contribuinte) possa ter/exercer uma atitude crítica (leia-se: o seu Direito de Veto).
    -> De uma forma análoga, as empresas públicas devem apresentar de forma sistemática a sua actividade (nota: a definir caso a caso... consoante o tipo de actividade da empresa pública)... para que... o consumidor/contribuinte possa ter/exercer uma atitude crítica!
    Um exemplo: quiseram introduzir taxas em cada levantamento multibanco... todavia, no entanto, o consumidor/contribuinte reagiu: "o banco público C.G.D. apresentava lucros... sem ser necessário a introdução de mais uma taxa"!?!?!
    .
    .
    Resumindo:
    1- ficar à espera de auto-regulação privada/(de mercado) é coisa de otários...
    2- a Regulação Estatal é necessário... todavia, no entanto... é algo que poderá ser um tanto ou quanto contornável... (uma nota: ver casos do BPN e do BES)
    3- para que certos sectores de actividade [exemplo 1: a actividade política; exemplo 2: sectores estratégicos da actividade económica] não venham a «ficar entregues à bicharada»... é necessário que exista uma apresentação sistemática da sua actividade [ex. 1: governo; ex. 2: EMPRESAS PÚBLICAS em sectores económicos estratégicos] ... para que... o consumidor/contribuinte possa exercer uma constante atitude crítica!
    .
    .
    .
    P.S.
    Uma opinião um tanto ou quanto semelhante à minha:
    Banalidades - jornal Correio da Manhã:
    - o presidente da TAP disse: "caímos numa situação que é o acompanhar do dia a dia da operação e reportar qualquer coisinha que aconteça".
    - comentário do Banalidades: "é pena que, por exemplo, não tenha acontecido o mesmo no BES".

    ResponderEliminar