terça-feira, 30 de setembro de 2014

Os Sócretinos estão de volta

Anda tudo a dormir no país Portugal. Ora então vejam bem no que deu a guerra de facções do PS; o novo secretário-geral do partido PS já mostrou bem ao que veio: Cuidado meus amigos, não há redução do número de deputados na assembleia da república, essa é uma medida populista e perigosa para a Democracia. Ohh coitadinha da Democracia na mão de papagaios destes... tudo é populismo e um perigo quando o risco de se vir a "descobrir a careca" desta gente se torna elevado. Mais um sócretininho em potência!

E as Tvs?, na sua sagacidade informativa, limitam-se a fazer o jogo destes tipos, afinal também elas, sujeitas à perversão dos costumes pagas e financiadas pela elite económica e política que povoa os labirintos das mansardas democráticas. Onde o cheiro da poeira se mistura com o incenso maçónico, e onde o Deus de alguns é como o chouriço e o presunto.

Nas próximas legislativas lá teremos os sócretinos de volta, para nos infernizar a vida e continuar o trabalho inacabado pelo sócretino I. Progresso e crescimento prejudicando muitos e favorecendo alguns (poucos), desenvolvimento tecnológico e novas oportunidades para todos se instruírem na incultura geral, desenvolvimento económico criando uma cultura "de não trabalho e de subsidiodependência", patranhices atrás de patranhices, e  a manutenção da maior carga de esforço de pagamento de impostos da UE. 

Mas será que este povo não acorda!?

Os embaraços da Troika e o socialismo económico

Eles continuam a gozar com as pessoas, eles continuam na sua (deles) estratégia de desinformação para que a próxima idade dos escravos seja uma realidade. Trabalhar por uma tigela de arroz e uma habitação de 30 metros quadrados, sem direitos ou condições de sobrevivência digna. O socialismo económico destes "escafandros" é uma agenda eugenista há muito programada, pérfida e perversa, ao ponto de este mesmo socialismo económico não possuir qualquer sentimento de fraternidade, ou até de liberdade. Entre a liberdade de viver à margem do socialismo económico e a liberdade de com ele conviver, as opções são nulas pois ao socialismo económico tudo lhe convém, não lhe afecta esse tipo de distinções. Ele é "corrosivo e irreversível".

A Troika representa uma subsecção do socialismo económico e sente-se incomodada com o aumento do ordenado mínimo em Portugal -505 euros- um aumento de 20 euros; mas vamos a factos: Um cabaz de compras com os produtos essenciais (fruta, leguminosas, lácteos, pão, carne e peixe) para uma família de 4 pessoas custa cerca de 500 euros por mês. Que grandes inteligências povoam a Troika e os corredores do poder. Mas cuidado que aqueles que ganharem um pouco mais, 700, 800 euros aproximam-se da "máquina do desbaste fiscal a soldo do grande capital" e ficarão com pouco mais de 505 euros. 

A estratégia da «sinificação» segue imparável, uma contínua e persistente agenda de estabelecimento da idade dos escravos. O reino do Anti-Cristo ou da Besta tal como é conhecido na cultura cristã. 
É evidente, excepto para os da Troika e para os governantes em geral, que se nos dão um salário que apenas nos permite sobreviver, muitas vezes, no limite, não vivemos em liberdade; vivemos no mais vergonhoso totalitarismo económico de que possa haver memória.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

República e Democracia

«O regime em que as instituições e as leis são impostas pela razão pura à índole de povos diferentes. Na República, o futuro assenta sobre o desprezo do passado, renegando-se a tradição, em nome de princípios sem realidade prática. É a forma primária de governo, enquanto se não chega à compreensão da vantagem da continuidade do poder que é a garantia da paz pública e da justiça social. Os povos em via de formação ou em períodos de decadência, preferem sempre as instituições democráticas, no primeiro caso a diferenciação não se definiu, no segundo, a indisciplina conduz à confusão e anulação de todos os valores. A democracia é a doença dos povos que já perderam ou ainda não acharam a direcção do seu destino. Democracia e nação, democracia e justiça, democracia e exército, democracia e autoridade são conceitos que se excluem».


In Cartilha Monárquica - Alberto Monsaraz, pág. 6

Sanggnovo - 20 Anos ( versão da musica de José Cid )

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Serviço público de televisão - vergonha sem limites

É sabido que hoje a televisão só dá merda. Por um mero acaso, estava eu ontem à noite num café onde passava na TV uma das intermináveis novelas de lixo da TVI (televisão dos imberbes), onde a determinado momento se vê dois invertidos aos beijos... é também sabido, excepto pelos modernistas da merda, que se pretende fazer da homossexualidade virtude pública e a TV alinha nesta pandemia sexual. É pena não haver um comando suicida que rebente com os estúdios de tal canal de TV. Mas já hoje, no mesmo canal e noutro programa diferente, o tema era a "batalha dos sexos", onde uma série de convidados davam largas ao asneirismo, como se de uma ciência se tratasse. Asneiras, risadas e piadinhas bacocas, próprias de uma elite podre e baforenta, sempre pronta a martelar neste povinho inculto as maiores tolices e inverdades, fazendo dos mitos sexuais o seu cavalo de batalha. Que bando de tontinhos, que bando de cabrões amestrados, sem esquecer as putas zarolhas sempre dispostas a debitar alarvidades próprias de quem não sabe nada de nada...

Precisavam era de uma vara pelas costas abaixo e de uma pila de elefante para ver se perdiam o pio. As putolas ao serviço da (des)informação e os panascas com ares de trolhas caguinchas, a espremer os colhões e a crica frachundeira, num orgasmo de lixo radioactivo. Tudo pago com dinheiro do Zé pagante num puro delírio de bosta a escorrer aos pedaços. Coitadinhos dos tristes, azeiteiros com ares de grandes especialistas na área do maior e mais abjecto brejeirismo social.