sexta-feira, 6 de junho de 2014

Adam Weishaupt - Os graus dos Iluminados

A seita teve desde o seu início uma colectânea de graus diferentes da maçonaria especulativa o que era aliás, comum a todas as lojas de rectaguarda. Os graus dos iluminados dividem-se em duas partes. A primeira parte destina-se à "preparação" dos membros e subdivide-se em oito graus, "Noviço", "Minerval", "Iluminado Menor", "Iluminado Maior" e três "graus de intrusão", que a seita foi buscar à maçonaria e que poderia ser qualquer um dos doze primeiros graus, e por último, o grau de Cavaleiro Escoçês ou Iluminado director. A segunda parte, chamada de "Grande Mistério", tem apenas dois graus, "Mago ou Filósofo" e "Homem-Rei". 

Havia também um grau muito importante, reservado apenas a um pequeníssimo número de membros, que era o do "Irmão Insinuador" ou o "Enrolador". Deste grau em particular, dependeu em muito a força e a organização da seita, é este grau que fabrica a (anti)doutrina e se encarrega de dar sentido e busca a cada um dos graus. Este "Irmão Insinuador" como a própria etimologia o dá a entender, insinuava o Iluminismo e insinuava-se a si mesmo no fim de arrebanhar o maior número possível de membros.

De grau em grau até ao de Homem-Rei, título muito sugestivo, este plano iluminista representa o ódio de Weishaupt ao mundo e à civilização, tal como a maçonaria, que faz do homem a medida material de suprema importância, sem lei nem freio, ao sabor das paixões desonestas e do materialismo redutor.

Alguns deste graus transitaram depois, durante o século XIX, para a maçonaria sob outros nomes. A coisa mais monstruosa e anti-natural que jamais foi inventada.


Sem comentários:

Enviar um comentário