terça-feira, 20 de maio de 2014

Democracia sem democratas - A campanha eleitoral dos zarolhos

A retórica entabulada e articulada pelos "espadachins" da política e do belo verbo é certamente baseada numa visão de zarolhos. Todos eles se deparam com graves problemas de foro óptico. Os seus discursos e dialécticas estão totalmente desfasados da realidade. Para além disso, todos possuem memória muito curta, sobretudo o partido xuxialista e seus "muchachos valientes". Já nem sequer falo dos graves problemas cognitivos e de sensibilidade ordenativa cerebral dos caixotes do lixo ideológico extremo-esquerdista...

É verdade que os portugueses sempre "se puseram a jeito" para serem "devorados" pela alienação crescente emanada da mentira democrática em que vivemos. Veja-se por exemplo, o caso de ex-políticos e ex-ministros e ex-presidentes de república que não possuem nenhuma moral para pronunciar uma palavra que seja, tomarem parte nas propagandas debitando as suas costumeiras baboseiras para deleite dos que não pensam. Como em Portugal grassa uma escandalosa iliteracia funcional, qualquer burro doutor é elevado aos píncaros do Olimpo dos democratas portugueses, inclusive os maiores traidores da pátria.

Uma civilização alienada física, psíquica e economicamente pela tecnologia de massas e pela visão finística da história, perde uma das principais componentes do livre-arbítrio humano; a capacidade de pensar. De pensar exteriormente a tudo e todos. Sem essa capacidade o livre-arbítrio é como se não o fosse, como se não existisse. É um "totalitarismo mental" imposto à revelia dos impositáveis. Este facto basta-se por si só para provar que não vivemos em democracia e em liberdade. 

A incapacidade de pensar gera paradoxos uns atrás dos outros, tal como aquele em que se faz de conta que se vive em democracia pensando-se pela cabeça dos outros (que não são uns outros quaisqueres). Vive-se pensando que se vive em democracia engordando o monstro partidocrático. É em partidocracia que vivemos, mas haja bom senso e coragem para assumir isto... 


Uma Democracia sem democratas só pode existir com zarolhos no poder (poder visível ao povo) e uma massa informe de votantes e lipofrénicos muito sensíveis, que acreditam firmemente que vivem em democracia e em liberdade! Todo aquele que pensa e chega à conclusão lógica que tudo é falso, é imediatamente catalogado com o estropitoso epíteto de antidemocrata... perdoai-lhes senhor, pois não sabem o que dizem!


Sem comentários:

Enviar um comentário