segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

O sentido de Estado

 Entre ruínas e queimadas, entre juízos e aleijões
é buscada a certidão, que dá acesso aos romeirões
de punho macio e bigode enganado
a lata pendente e o saiote engasgado
ninguém tem fome, mas todos são comilões..




O Estado de Direito em Portugal


Encantados e encantamentos, feitiços e postumentos
léria boa e boa fibra, puxam mais do que uma carroça
desencantados os turbulentos, assim se alimentam os jumentos.

Frangos e perdizes, maroa e pengote
espargo de pedra com salsicha mentirosa
farrapos de língua e excremento político
estático e mudo, pensa, não há saída airosa...

Gigantes de pedra abençoai os nossos caminhos
ensinai os mortais a viver o seu ser
ao de leve soprai, para que sejais bem vindos.





Sem comentários:

Enviar um comentário