quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Grandolaria - a nova ideologia política

Portugal vive hoje manietado e culturalmente desinspirado por via do "complexo abrilino" que tolhe este país há quase 4 décadas. Este povo, politicamente e historicamente desinteressado e alheado de tudo, não consegue perceber, ou ainda pior, intuir, que o abrilismo de 1974 é inimigo do povo e das suas aspirações. Não me venham cá com essa de que temos liberdade de expressão, de movimentos e de acção... está bem à vista que essas carradas de liberdade não nos servem para rigorosamente nada.
 
De há alguns dias a esta parte, surge uma nova ideologia - a Grandolaria - sempre que de alguma manifestação espontânea ou simples protesto: grândola vila morena, terra da burrice, de morena passas a tolice...
 
Porque não se admite entre uma certa elite portuguesa que o 25 de abril foi uma fraude? A quem interessa o estado de incultura do povo, em matéria política e de história? Porque se quer fazer do 25 de Abril a data charneira do progresso português? A haver uma data charneira, não poderia ser esta, os dados estão à vista, há que ser sério e impune às tacopatias comunistas.
 
O momento não é para revivalismos abrilistas, nem para adjectivações saudosistas, o momento é para cortar com o passado abrilista e instaurar a verdadeira democracia em Portugal, porque a democracia que existe de momento é uma imitação de democracia (totalitarismo neoliberal-marxista), emanada directamente do esgoto abrilino, que nunca teve outro propósito que não garantir tachos e mordomias para certos sectores, para além daquela fase em que os comunistas se entreteram a destruir o que o fassista tinha aferrolhado.
 
Precisamos uregentemente de uma "anti-grândola", que venha pôr ordem na desordem instalada neste país há quase 40 anos.