quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Manifestação? A verdadeira manifestação continua por fazer

A ideologia das "luminárias neomarxistas" apela declaradamente à violência para atingir os fins pretendidos. Mas a esta violência, uma outra violência se lhe segue, sempre em espiral.
As manifestações nada resolvem, podem fazer milhares delas que tudo continuará na mesma. O problema desta sociedade é metapolítico.

A manifestação que deveria ser feita implica o fim do "mamanço" por parte das centrais sindicais e seus "lambrins", implica um "caderno de reivindicações" suportado por um "grupo de pressão", como seja a arma do boicote a uma série de serviços e produtos, sobretudo dos grupos monopolistas (EDP e PT, infelizmente impossível), enquanto essas reivindicações não fossem aplicadas, assim como estender o boicote aos partidos políticos, votando-se massivamente em branco e/ou nulo.

É impossível dirão muitos, pois é, mas esta é a única "manifestação" que poderá salvar este país.

A polícia bateu pouco na manifestação de 14-11-2012

Violência e património público destruído, eis o balanço da parte final da manifestação de ontem.
Tenho de louvar e enaltecer a acção da polícia, ao aguentar durante bem mais de 1 hora, as pedras, garrafas, petardos e outros projécteis que lhe eram lançados pelos «metastáticos» de serviço.
 
A polícia até bateu pouco se analisarmos bem o que se passou. O desrespeito constante pela ordem e pelos agentes de autoridade mereciam desde logo pena de prisão que deveria ser transformada em trabalho comunitário. Não é concebível que se arranquem pedras da calçada, como se fosse o acto mais natural do mundo, em frente a toda a gente, e se bombardeie com as mesmas a autoridade que está ali para manter a ordem.
 
Qualquer pessoa com dois dedos de inteligência vê logo de onde é que isto parte e a que se destina.