quarta-feira, 14 de novembro de 2012

O significado de Nacionalismo

O termo Nacionalismo ainda se presta a muitas confusões que convirá esclarecer. Houve uma época em que o Nacionalismo serviu para ocultar as conveniências dos totalitarismos, mesmo do comunismo, em diversos países e territórios.
 
Pode dizer-se que há duas espécies de Nacionalismo - o primeiro considera a nação o valor supremo - o segundo, atribui à nação o valor do melhor meio para a pessoa alcançar os seus fins últimos.
 
No primeiro caso, o Nacionalismo traduz-se numa doutrina de exclusão da caridade internacional, do egoísmo das raças, do desprezo pela personalidade. No segundo caso, é o amor da Pátria, elevado a grau máximo, do qual derivam para a colectividade a maior soma de benefícios e de vantagens.
 
Maurras dizia que de «todas as liberdades humanas a mais valiosa é a independência da Pátria.» O mesmo fez também uma importante distinção entre patriotismo e nacionalismo, considerando o primeiro ligado à ordem natural e o segundo à ordem moral e espiritual, distinção esta que parece um pouco incompleta. O nacionalismo moderado é a doutrina do patriotismo, desde o seu plano sentimental ao plano da inteligência e das ideias. É uma doutrina viva que se renova constantemente.
 
Hipólito Raposo disse uma altura: «Nesta hora confusa em que os partidos e várias formações revolucionárias da república se intitulam nacionalistas, cumpre-nos reivindicar o carácter tradicionalista e legitimista do Nacionalismo Português. Quem se disser nacionalista em Portugal, se não for inconsciente ou impostor, tem o dever de confessar a monarquia e de reconhecer o Rei.»
 
Quase de significado tão confuso e tão diverso como a democracia, o Nacionalismo, não goza, no entanto, do prestígio da democracia, não tendo conseguido conquistar as massas pouco cultas, sendo antes encarado com desconfiança, porque os nacionalismos são apontados como os causadores das duas primeiras guerras mundiais. O que até poderá ser verdade no caso da 1º guerra mundial, mas de maneira nenhuma o foi no caso da 2ª guerra mundial.
 
Numa época como a nossa em que o poder infernal do «marxismo cultural» avulta e se impõe por toda a parte, os que afinal, foram seus percussores filosóficos e os causadores da sua expansão, procuram fazer-lhe frente, içando bandeiras nacionalistas, como numa última e deseperada tentativa de salvarem os seus bens e as suas pessoas. Mas, apenas nós, os monárquicos, os mais ricos de valores morais e espirituais - por isso mesmo os mais ameaçados pelo marxismo cultural - somos os que temos mais a perder.
 
Mas também somos os mais esclarecidos e os mais conscientes, e não nos podemos deixar enredar no "silvado" dos equívocos, porque o esclarecimento das confusões é sempre trabalhoso, doloroso e repleto de surpresas.
 
Nós não somos apenas nacionalistas, dizia Pequito Rebelo, somos bem mais do que isso: somos monárquicos. Assim como somos católicos, na certeza de que ninguém poderia julgar-se habilitado a concluir daqui que não acreditamos em Deus.

Sem comentários:

Enviar um comentário