segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Democracia = fraude

Onze dias após a implantação da república, Ramalho Ortigão escrevia a Teófilo Braga: «Nada, em Política, me é mais profundamente antipático do que o votismo e o parlamentarismo, que eu considero os destrutores agentes da capacidade administrativa.»

Não será necessário aqui transcrever as palavras de justa e caústica ironia com que Eça de Queiróz mimoseou o regime da urna e do voto.

Os partidos (actual partidocracia, e não democracia) eram extremamente antipáticos aos teóricos da democracia pura, por serem considerados factores de divisão, e incompatíveis com a unidade e a homogeneidade da nação.

Qualquer eleito de qualquer democracia de votos na urna (é ver o pleonasmo que esta última palavra encerra) é obrigado a ludibriar as massas, servindo uma multidão de interesses particulares, os quais, quase sempre, se opõem ao interesse da nação.

O ludibrio das massas faz parte do ideário de todos os partidos políticos, sejam eles de direita disfarçada (como o actual PSD), sejam eles da merda esquerdista(como Bloco de esterco e PC), ou ainda do socialismo podre (PS), sem esquecer os democratas cristãos(que sacrilégio!) do CDS.


A propaganda republicana pré 1910, tinha prometido aos portugueses que o bacalhau seria vendido a pataco o quilo, o que obviamente não foi cumprido, porque não podia efectivamente ser cumprido, e tudo era dito sem qualquer base honesta de estudo. As multidões deixam-se enganar com as promessas dos ambiciosos medíocres, deixam-se arrastar por sentimentos, deixam-se embalar por gestos e atitudes, por frases e palavras sonoras, acabando por se tornarem servas até à escravidão.
 
O sufrágio universal goza com as pessoas, faz troça delas, trata-as como simples depositários de uma cruz que nada resolve, nem nunca resolverá. É uma BURLA GIGANTESCA, um complemento indispensável às eleições. Talvez por isso lhe chamem jogo eleitoral, pois todo o jogo admite batota, e no sufrágio universal há muita batota, mais do que as pessoas possam imaginar...
 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário