quinta-feira, 11 de outubro de 2012

O bestiário gayzista


Está oficialmente aberta a época de adopção de crianças por parelhas macho/macho ou fêmea/fêmea.
Estas parelhas estão convencidas que é possível substituir a ordem natural das coisas, por uma nova ordem que contraria as leis do universo e de Deus.
 
 
Eu não considero que um "parelhador" não tenha capacidade para educar, criar, dar amor, vigor e alegria a uma criança, não é esse o problema ...
 
 
Qualquer criança criada num ambiente familiar onde tenha dois pais ou duas mães, não pode, evidentemente, deixar de manifestar uma dissonância profunda nos seus campos psicológico e sexual.
 

A tão badalada «neutralidade de género» não faz mais do que "avalisar" a deturpação cometida em nome da nova sociedade e do novo homem que a esquerda revolucionária e não só, não se cansam de procurar.


A palingenésia futura, ou a inevitabilidade do futuro desejado pelos neognósticos, emerge de um mandamento primordial na permanente revelação escatológica: o futuro (desejado pelo neognosticismo) é um dado adquirido, mas na egofania vigente do século XXI, é uma certeza que não admite contestação.
 
POR ISTO MESMO É QUE AQUELE VELHO ADÁGIO POPULAR QUE DIZ ANDAR O DIABO CADA VEZ MAIS À SOLTA FAZ TODO O SENTIDO.
 
 

Ora vejam só o ar de alegria desta família do futuro desejado. Reparem no "ar assustado" das duas crianças da direita .. que maravilha ...
 
 

1 comentário:

  1. Quando se fala em Direitos das crianças, há que olhar também para o seguinte: muitas crianças hão-de querer ter a oportunidade de vir a ser pais!
    Dito de outra maneira: não está em causa ter (ou não ter) acesso a 'isto ou aquilo'... mas sim, o facto da sociedade não poder estar a IMPOR BLOQUEIOS EMOCIONAIS: leia-se, ao não legalizar as famílias monoparentais (a masculina em particular) a sociedade está a fazer com que uma faixa (de certa forma significativa) da população masculina NÃO TENHA FILHOS.
    (obs: ser pai ou ser mãe não é ter uma coisa qualquer)
    .
    Com um largo trabalho sociológico de longo prazo (nomeadamente, uma educação sexual sem tabus nem neo-tabus), vai ser possível, na sociedade, diminuir significativamente a percentagem de machos sem filhos.
    .
    Hoje em dia, por um lado, muitas mulheres vão à procura de machos de maior competência sexual, nomeadamente, machos oriundos de sociedades tradicionalmente Poligâmicas: nestas sociedades apenas os machos mais fortes é que possuem filhos, logo, seleccionam e apuram a qualidade dos machos.
    Por outro lado, hoje em dia muitos machos das sociedades tradicionalmente monogâmicas passaram a ir à procura de... (há mesmo quem defenda a tese de que devem ser 'enfiadas'!!!) Fêmeas Economicamente Fragilizadas [mais dóceis]... oriundas de outras sociedades.
    .
    Pelo Direito a ser PAI SOLTEIRO em sociedades Tradicionalmente Monogâmicas:
    - Ver o blog http://tabusexo.blogspot.com/.

    ResponderEliminar