sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Primórdios do liberalismo em Portugal - II

Para se ter uma ideia dos interesses económicos das duas facções faladas no post anterior, diga-se a este própósito que, entre 1796-1806 a balança comercial entre Portugal e Inglaterra passou de 9.838.817$463 réis para 17.788.267$282 réis! Um aumento de mais de 90%! Relativamente aos números entre Portugal e França os mesmos são impressionantes; 268.313$ 198 réis em 1796 para 7.682.088$ 432 réis em 1806!
 
Uma luta feroz pela competividade e controlo de mercados pela burguesia, facilitou a disseminação dos ideias de 1789, e dái para a frente começa a verdadeira decadência de Portugal. A partir de 1807, com a ruptura do bloco napoleónico, ficam em causa interesses vitais de uma parte da burguesia mercantil portuguesa - os afrancesados.
 
Embora o intercâmbio entre Inglaterra e Portugal continua em expansão, sobretudo pelo lado das exportações portuguesas, temia-se que a concorrência francesa, que cresceu muitíssimo em 10 anos, provocasse recessão nos negócios com os ingleses, e que os franceses fossem aumentando o valor das transacções comerciais, ganhando assim vantagem nos negócios com Portugal.
 
Os acontecimentos seguintes, apesar de tudo, não confirmaram essa tendência que se antevia por parte dos inglesados; os negócios com Inglaterra continuaram a crescer nos anos de 1808-1814. Alguns anos após, na época chamada de «Vintista», a balança comercial portuguesa começava a agravar-se seriamente.
 
Em 1819 Portugal importou 24.296.834$600 réis e exportou somente 19.447.806$084 réis, um défice de 5.000.000$000 réis. Houve que tomar medidas, e essas medidas passaram por diminuir o défice da balança de transacções correntes com o estrangeiro, através da tão badalada "austeridade". Também essa foi a receita nessa altura, mas revelar-se-ia desastrosa, pois o que acabou por acontecer foi que o saldo das importações sobre as exportações desceu para menos de metade, em grandezas absolutas. Ao baixar o volume de importações baixava obrigatoriamente, por via da "austeridade", o volume de exportações.  No ano de 1822, os números mostram precisamente o que acima acabou de se dizer, as importações ficaram-se pelos 19.181.984$032 réis e as exportações em 15.611.637$822 réis, com um défice de 3.500.000$ réis.
 
Mas a baixa dos valores da balança comercial portuguesa também se fica a dever à baixa do comércio com o Brasil, o que demonstra bem, em termos ditos práticos, os efeitos negativos da independência do Brasil e da descolonização sobre a economia nacional. A independência do Brasil, pelo menos da forma como a mesma se efectivou e não considerando os interesses que estavam em jogo, revelou-se um erro colossal. Portugal nunca mais recuperou desse golpe (e a história tratou de o confirmar) e o seu relacionamento comercial com o Brasil só foi recuperado para lá de 1840.
 
 
Continua.

Sem comentários:

Enviar um comentário