sexta-feira, 22 de junho de 2012

O renascimento do Estado - Maquiavel

«O objectivo central dos estudos de Maquiavel é o Estado. Ele é o criador do termo. É ele que nas primeiras linhas do Príncipe emprega a palavra «Estado» no seu sentido moderno, com o significado de que se revestirá mais tarde em todas a slínguas da Europa Ocidental: inglesa, francesa, alemã.
Além disso, Maquiavel introduz uma distinção fundamental entre os Estados: «Todos os Estados que exerceram ou exercem o seu domínio sobre os homens foram ou são repúblicas ou principados.» Estabelece deste modo a diferença, que doravante se vai manter na linguagem política, entre república e monarquia.
Todavia, se Maquiavel é o inventor do «Estado», na medida em que descobre o seu nome, este mantém-se ainda para ele rodeado de uma certa bruma. Dominada pelo aspecto concreto dos fenómenos, «a noção de Estado» não se encontra ainda desligada da realidade dos homens que a constituem. O fenómeno da estatização não atingiu ainda a sua plena maturidade. Usando a terminologia actual, está-se ainda na via da institucionalização. «O Estado» permanece estreitamente ligado à pessoa do «Príncipe». Aliás esta ligação, esta mesma confusão, constituem um dos elementos fundamentais do absolutismo que classificámos de «real». É pois o Estado, mas o Estado do Príncipe, e dentro do Estado primeiro que tudo o próprio Príncipe, que interessam a Maquiavel.»


In "As doutrinas Políticas" - Marcel Prélot

Sem comentários:

Enviar um comentário