quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Do socialismo ao liberalismo final

O século XIX, em toda a sua extensão, foi um imenso "laboratório" de experiências socialistas. O socialismo já vinha de longe, de antes do iluminismo até, mas foi no final do século XIX que ele foi definitivamente forjado na sua perspectiva final. O que deu origem, por canais subversivos, ao liberalismo actual. Foi também no século XIX que aconteceu uma cisão que se viria a revelar decisiva nos caciques socialistas. Os primeiros socialistas, nascidos da incubadora iluminista, foram os utópicos como St. Simon, Fourier e Owen, estes os principais, e um pouco mais tarde surgiria o socialismo científico ou revolucionário, também conhecido por marxismo, radicalmente oposto aos utópicos na forma como viam e pensavam a sociedade ideal, que era uma sociedade sem classes como se sabe. A utopia foi vencida mas não convencida, pois, a partir do século XX, os seguidores utópicos mudam ligeiramente de campo, dando origem ao terrível socialismo fabiano. O liberalismo deu um golpe de mestre. Transformou a utopia em entropia, enquanto por baixo da mesa, manipulava os socialistas revolucionários. Quando os Fabianos começam a chegar ao poder, o que aconteceu em força a partir dos anos 30 do século XX, apoderaram-se de vastos sectores da economia capitalista e por extensão bolsista. É sabido o que aconteceu de seguida, começou a haver uma intromissão burocrática em tudo o que fosse vida social, privada, económica, religiosa, etc. Houve igualmente um apoderamento dos principais meios de comunicação e, sub-repticiamente, difundiam ideologias socialistas de forma aparentemente neutra e acausal. Esta "acausalidade"patrocina indirectamente o marxismo, pois é do interesse dos fabianos que a luta de classes, por exemplo, esta a maior de todas as utopias, prossiga até ao liberalismo final, que transformará o homem, cada homem individual, numa peça ou engrenagem de uma máquina gigantesca.

Sem comentários:

Enviar um comentário