quinta-feira, 21 de julho de 2011

A escatologia do aquecimento global





A ciência oficial mente, assim como Al-Gore, o escatologista do clima ao serviço da plutocracia. Durante anos andaram a vender a escatologia do aquecimento global, quando afinal uma experiência recentemente realizada vem revelar que é tudo mentira. MENTIRA. Os próprios cientistas que participaram dessa experiência ficaram atónitos quando a experiência realizada revelou que o homem e a poluição ambiental, considerados os culpados das alterações climáticas, tinham um contributo diminuto, menos de 7% para as alterações climáticas. No entanto, estes cientistas foram impedidos de dar uma opinião pessoal sobre o assunto.










Esta experiência chamada de "Experiência Cloud", veio provar definitivamente que as alterações climáticas são cíclicas e que vêm acontecendo de há milhares e milhares de anos. Provou-se nomeadamente que a maior ou menor intensidade de penetração de raios cósmicos na atmosfera terrestre é que tem a ver com as alterações climáticas, e que nestes anos actuais tem havido um acréscimo significativo de raios cósmicos a penetrar na atmosfera terrestre, o que tem provocado as alterações climáticas. Mas mais uma vez, em nome da plutocracia e da merdocracia que nos desgoverna, o chefe responsável por esta experiência realizada no CERN na Suiça, proibiu todos os cientistas de falarem neste assunto.






Diversas personalidades do meio científico Britânico já se insurgiram contra o que classificam de vergonhosa censura política e disseram muito claramente que, perante os resultados da experiência, o aquecimento global não pode ser um fenómeno de origem humana. O que os dados da experiência revelam não pode simplesmente ser ignorado, como o querem ignorar todos os escatologistas do aquecimento, e sabendo-se que os raios cósmicos têm grande influência no comportamento climático do planeta, resta saber se este será o único factor a ter em conta ou se estará acoplado a outros.






A verdadeira questão aqui é de saber porque é que os investigadores têm ordens específicas para não falar dos resultados desta experiência, que sugere uma teoria que está em fatal oposição com o ponto de vista politicamente popular. À ciência não lhe é permitido sugerir uma hipótese alternativa à teoria escatológica do aquecimento global, mesmo quando as evidências mostram o contrário.






Onde é que já vimos este filme? Isto não vos faz lembrar nada? Para quem quiser mais informações sobre este assunto é consultar: http//blog.alexanderhiggins.com/2011/07/18scientists-gagged-interpreting-study-links-climate-change-cosmics-rays-35691/










2 comentários:

  1. mas era preciso provar? bastaria pensar com lógica , a terra já arrefeceu e aqueceu e ainda não existia o homem , o sol tem muita influencia , consoante a sua actividade , pode estar mais ou menos activo , ele próprio tem picos de actividade .

    1143

    ResponderEliminar
  2. Confesso que é um tem sobre o qual não leio (talvez deva começar). Mas há uma questão que coloco: as alterações climáticas são cíclicas, muito bem, mas isso não significa que não possam ser influenciadas por factores de origem humana, que as podem apressar ou agravar. Dizem que apenas 7% resultarão disso. Enfim, é um número como outro qualquer, imagino outros estudos a concluírem que afinal é 5% e outros a chegarem a 15%. A questão é que, se calhar, 7 ou 10% não é assim tão pouco. E este estudo pode ter a mesma seriedade que outros cujas conclusões foram contrárias. Por mim acho que a redução da poluição e o cuidado com o planeta só pode ser benéfico e acredito que muito do que o homem tem feito, incluindo com os abates massivos de florestas, está a prejudicar e alterar muitos dos equilíbrios do planeta, talvez mesmo climáticos. No fundo, gosto mais da ética subjacente aos fanáticos da defesa do planeta do que da ética subjacente aos fanáticos da defesa do desenvolvimento industrial despreocupado. Sem qualquer base científica, é uma questão de gosto.

    ResponderEliminar