quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Deus e o absoluto

«É difícil alcançar ou entender o infinito a partir de uma perspectiva que é finita». «Todas as perguntas inferem que existe uma realidade chamada tempo. Na verdade, essa realidade não existe. Existe apenas um momento, que é o eterno momento de agora. Tods as coisas que alguma vez aconteceram, estão a acontecer agora, e que alguma vez acontecerão, estão a ocorrer neste preciso momento. Nada aconteceu "antes" porque o antes não existe. Nada acontecerá "depois" porque esse depois também não existe. Existe sempre e apenas Agora mesmo. No agora mesmo das coisas, estou constantemente a mudar (Deus). O número de maneiras em que me individualizo é portanto sempre diferente, e sempre igual. Dado existir apenas e agora, o número de almas é sempre constante. Como estou sempre a mudar, o número de almas é infinito. Contudo, num determinado "ponto no tempo", parece ser finito. Assim sendo o número é finito e infinito, variável e invariável, dependendo da forma como é visto. Devida a esta característica da realidade suprema, chamam-me muitas vezes o movedor imóvel. Sou o que está sempre em movimento, e nunca se moveu, está sempre a mudar e nunca mudou. Com Deus nada é absoluto. Excepto que tudo é absoluto. A menos que não o seja».

In Conversas com Deus- Vol. III- Neale Donald Walsh

Sem comentários:

Enviar um comentário