sexta-feira, 18 de junho de 2010

Ai Portugal, Portugal , o que será de ti

País de chacha este em que vivemos. O país não tem culpa, evidentemente, outrora esta grandiosa nação de Vímara Peres, D. Afonso Henriques, D. Sancho, D. Dinis, D. João I, Nuno Àlvares Pereira e tantos outros, é hoje um país desgraçado, espezinhado e maltratado pelos políticos e agentes económicos.
Com que moral é que estes merdas, é este o termo, merdas, para não lhes chamar coisa pior, que nos desgovernam vêm pedir sacrifícios aos que nada têm a ver com as asneiras cometidas por esses filhos da p.... que passam a vida a f.... tudo, a lamber e a dar cabo de tudo?
Que moral têm esses crápulas de cartola e gravata para fazerem leis altamente nocivas para os trabalhadores e pagadores de impostos deste país? Vejam-se bem as leis que existem em Portugal onde dezenas e dezenas, ou centenas, de criminosos de toda a espécie que fazem com que esses mesmos criminosos, alguns deles presos, continuem a receber rendimentos mínimos!
A primeira página do correio da manhã de hoje (18-06-2010) diz que jovem de 19 anos que roubou 18 mil euros continua a receber ajuda e traficante que vendeu metrelhadora que matou um PJ beneficia de apoio social. Como??? Que vão gozar com a p... que os pariu. Isto era motivo para haver enforcamentos em praça pública. Esqueçam os direitos humanos e toda a tretologia associada, pois isso não são mais do que expedientes para nos roubarem , rebaixarem, maltratarem e ridicularizarem.
Tudo isto é inqualificável, ultrapassa em muito a decência e a indecência. O défice que o paguem do bolso deles, pois são eles os responsáveis desse mesmo défice e quanto ao euro que façam uma fogueira gigante e os queimem todos. Pôr em causa a sustentabilidade e o bem estar dos europeus por causa de uma moeda que não vale os "tarecos de um gato" é um acto de alta traição. Espero que ardam todos no inferno.

2 comentários:

  1. É verdade caro amigo. Essa corja merecia muito pior do que isso. mas estou esperançado que a justiça divina actue no seu devido tempo. Cumprimentos.

    ResponderEliminar