sábado, 10 de abril de 2010

Revolução ano zero-III

O drama desta situação não foi apenas ter-se construído sobre os destroços dos princípios de 1789, mas também, de se ter estabelecido no exílio. A escolha de emigrar feita muito cedo, é em boa parte consequência do rebaixamento político da nobreza sob o absolutismo, do qual Tocqueville fez uma das causas da revolução. A emigração tornou-se o símbolo da tentação do abandono do país à sua sorte por parte de alguns sectores de direita. São contra a proscrição e o exílio forçado que mais não é do que recusar liminarmente a tirania e a capitulação. A resistência de De Gaulle a londres riscará, do imaginário político françês, a lembrança de Coblence. Em 1814, com a restauração da monarquia, adireita identificava-se perfeitamente com os emigrantes, com os herdeiros da contra-revolução, com os ultras, dos quais o último assalto ao poder, com Charles X, foi interrompido bruscamente por uma revolução que muitas acharam gloriosa. A monarquia «liberal» de Louis- Philippe (1830-1848), começa à esquerda, ou pelo menos ao centro, mas termina em conservadorismo. O momento bonapartista não deu vantagens significativas à direita para que ela fizesse parte da memória colectiva.Apesar dos referênciais ligados à revolução e aos levantamentos de 1830 em nome da emancipação dos povos, o regime desrespeita uma ordem constitucional e usa métodos autoritários de repressão para calar a oposição. A direita junta-se ao partido da ordem face à insurrecção popular. « é tempo de os maus tremerem e os bons se fazerem valer», declara o príncipe-presidente em 1849. mas o bonapartismo é ambivalente. Ilustra esta fragilidade institucional da frança: incapacidade de estabelecer autoridade sem arbitrariedade, um governo estável que não oprima as liberdades.
A queda do segundo império possibilitou um momento único para o ajuntamento das direitas e o seu estabelecimento na paisagem política francesa. Entre 1870 e 1875, um consenso monárquico e liberal poderia ter-se estabelecido se não fosse a obstinação do conde de Chambord em recusar uma coroa flanqueada com a bandeira tricolor. A república reestabeleceu-se em favor da emenda Wallon, adoptada em 30 de janeiro de 1875, designando oficialmente o regime pelo seu chefe: « o presidente da república é eleito pelo sufrágio do senado e da câmara dos deputados da assembleia nacional.» As leis constitucionais, com um presidente monárquico, Mac.Mahon, que, privado de rei, leva a direita para o campo religioso e para a ordem moral.


Tradução feita da revista le nouvel observateur

Sem comentários:

Enviar um comentário