quarta-feira, 24 de março de 2010

O duplo défice- o mental e o abstracto

Se alguma pessoa se der ao trabalho de fazer um exercício rigoroso sobre a política portuguesa dos últimos anos não deixará por certo de ficar preocupada.
Os fundos que portugal recebeu durante estes anos foram na realidade saqueados pelos políticos,pelas suas clientelas e pelos seus agentes que se serviram desse expediente para criar grupos de influência fortíssimos, quer em portugal quer nos corredores de bruxelas, embora aqui em grau e importância diferentes. E é por isto mesmo que existe um défice associado ás economias dos países. O défice não é mais do que a «linha delimitadora» dos terrenos passíveis de serem pisados. Nada mais do que isto, apesar de todo o chinfrim e carnaval associados a esta questão. É a chamada cosmética financeira.
Assim se compreende o desassosego em que andam os nossos governantes por causa do défice! Castigam a classe trabalhadora e ilibam os verdadeiros culpados, num processo que de tão grosseiro e abusivo que é, se tornou uma mina de dinheiros e influências que não interessa perder. Não interessa perder porque para além de receberem proventos das asneiras feitas cá dentro, com o controlo do défice continuam por outro lado a receber os milhõezinhos de bruxelas a pretexto de formações profissionais, modernizações, apoios progressos. Este é o nosso triste fado, governados por uns críptolas de fato e gravata cá dentro e por um bolchevismo "hilariante" nas profundezas dos corredores de bruxelas.

Sem comentários:

Enviar um comentário