quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

A eugenia e os escravos

Não há memória de tal coisa.Nem nos mais recônditos anais da história se encontra algo desta dimensão. A nossa tão badalada época do modernismo e do séc.XXI,a não passar de um acidente de calendário,revela-se cada vez mais como uma guilhotina que conduz inevitavelmente ao fim da nossa espécie.Seremos substituídos por clones sem alma,obedientes e mansinhos,sempre prontos a servir o anti-rei.
De eugenia em eugenia o processo vai-se solidificando.Primeiro destroí-se o espírito comunitário dos diversos povos,de seguida destroem-se as suas actividades milenares,sejam elas a agricultura,a pesca,a olaria,o que seja,sem parar passa-se à destruição das religiões,substituindo-as por cultos ritualistas exteriores,e não contentes passa-se à destruição das famílias,primeiramente incentiva-se o aparecimento de mais e mais famílias disfuncionais e monoparentais,seguidamente aparecem mais e mais divórcios.Chegados a esta fase,o passo é lógico,toca a subverter toda a estrutura familiar definitivamente.Discute-se casamentos homossexuais como se disso dependesse o futuro imediato da humanidade,considerando-se tal impedimento "matrimonial" uma discriminação(?!) ......Sem esquecer a promoção de abortos em barda,para a promiscuidade da alta sociedade poder continuar e não só da alta,a eutanásia e a promoção das drogas e em parte do álcool.
Está bem claro que tudo isto surge isoladamente sem relação possível numa primeira fase,mas que se verifica afinal serem acontecimentos que se encaixam e preenchem.
O caos está lançado,haverá discernimento para separar o trigo do joio?
E se como dizem algumas fontes,a espécie humana está prestes a ser substituída por seres que pertencem a uma linha de evolução mais atrasada ainda,então estamos destinados às calendas do esquecimento durante as próximas gerações. Os senhores ilumminati reptilianos só precisam de 144000 escravos cada um.

Sem comentários:

Enviar um comentário