sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Corruptos e corrupções

Começa a ser recorrente falar-se de corrupção e de corruptos.Mas em Portugal a coisa está a atingir tal ponto,que se torna dolorosamente inquietante este silêncio ensurcedor.
Nestes casos mediáticos de corrupção,são propositadamente omitidos certos factos,que em muito ajudariam para que houvesse melhor justiça e melhores leis.O mais recente caso das escutas representa um flagrante exemplo disso mesmo.E quando justificam a nulidade dessas mesmas escutas pelo facto de não se ter agido legalmente perante o que chamam de "processualidade",estamos perante o maior desvio dos princípios elementares do estado de direito,que está bem torto para nossa desgraça,e da democracia.A imunidade política de que gozam,desdobra-se num leque infindável de influências e falcatruas que permitem o desvirtuamento das leis e a proliferação de decretos de lei que servem,com toda a naturalidade,para aplicar as leis conforme as conveniências.Já sabemos que o cidadão comum está fora deste esquema,para este existem outros princípios e leis.
E esta imunidade é estendida a outras figuras decorativas da ripública,como sejam,o PGR,o Bastonário da ordem dos advogados,o (des)governador do banco de Portugal,e outros mais.
O que me deixa apreensivo é que parece que não há volta a dar.Ontem uns,hoje estes e amanhã outros,o saque continuará.E com a letargia bem instalada na sociedade portuguesa,amorfa e vencida pelo peso de uma máquina estatal autofágica,começo a duvidar do futuro deste nosso país.
Quando tantos conhecidos meus emigraram e continuam a emigrar,não é em vão que o fazem.Fazem-no porque estão fartos de ser roubados e mal tratados no seu país.Pelo menos lá fora há mais justiça social,conseguem trabalhar e viver sem o credo na boca,existe ainda algum respeito pelo ser humano,coisa que em Portugal,infelizmente já é coisa rara...

Sem comentários:

Enviar um comentário