sexta-feira, 18 de setembro de 2009

O estado de direito e a democracia em Portugal

É mais do que famosa,eu diria até mais conhecida que os tremoços,aquela expressão muito utilizada pelos políticos e seus acólitos:-Vivemos em democracia e num estado de direito.
Tenho sérias dúvidas,e não sou só eu,do que é a democracia e o estado de direito na boca dessas pessoas.Porque não é uma coisa e muito menos a outra.Há aqui um grande equívoco que tem servido para enganar os papalvos há 35 anos.De que serve viver em democracia e num estado de direito,se essa mesmo estado de direito não providencia democracia?Temos liberdade de expressão e de movimentos,dirão muitos.Pois mas,de que serve a liberdade de expressão se ninguém quer saber dos nossos problemas,reivindicações e necessidades para nada?
Se alguém tiver alguma contenda com outrém ou tiver sido prejudicado por terceiros e mesmo que a razão lhe assista e esteja à vista de todos,isso não conta,que vá para tribunal gastar dinheiro e tempo e ainda se sujeitar a perder a razão em tribunal!
É a famosa justiça,criada e alimentada pelos políticos e pelos legisladores que não passa de um fantasma de si própria.A mentira das mentiras é dizer-se que existe justiça em Portugal.Existe só para os que têm dinheiro e para os criminosos,sobretudo para os de crimes de colarinho ás cores e para os crimes mais violentos e com motivações de tráficos,ilibando-os e desculpabilizando-os a todo o momento.É bom de ver que o princípio e a razão foram propositadamente confundidos,e sendo de resto,a razão e o princípio os pilares da justiça,seguindo-se a via contínua da confusão,nada mais existe senão injustiça.Os criminosos têm todos os direitos e garantias e se necessário for mais direitos e garantias adicionais.As vítimas não têm direitos nem nada.Apanham-se criminosos através de escutas telefónicas,de seguida,os tribunais e os legisladores vêm dizer que as escutas telefónicas são ilegais.Um gang de indivíduos é detido por roubos,tráficos e por infernizar a vida a uma série de pessoas,de seguida,ou por um erro processual ou por as diligências não terem sido feitas convenientemente,o gang é libertado e os seus crimes passam à condição de inexistentes.Um cidadão é vítima de prejuízos,o agressor recorre vezes sem conta passando a vítima a ser vítima a dobrar.Um indiivíduo é apanhado a roubar,de seguida,presente a um juíz,esse mesmo juíz manda-o embora para que continue a roubar e dali por 3,4 dias ou 1 semana vai lá novamente e continua tudo na mesma.Termo de identidade e residência é a medida de (in)coacção aplicada.Mais uma atoarda que acobertalha criminosos e gente da pior espécie.É quase como uma via verde para continuar a praticar crimes.Um adulto viola uma criança,no máximo,apanhará 3 ou 4 anos de cadeia.Mas que justiça é esta? De onde a desencantaram?O que é mais importante,provar os crimes dos criminosos ou o modo como são obtidas essas provas?E que dizer daqueles dois polícias agredidos num certo bairro das maravilhas multiculturais e que no final ainda lhe são imputadas as custas do processo?
Pessoas são apanhadas dezenas de vezes a cometer os mesmos crimes e tudo continua igual,deixem andar os gajos!Mas se alguém se passar e der umas solhas bem dadas,passamos aos olhos da lei e com a justiça logo muito solícita,a ser considerados perigosos agitadores e malfeitores.Não se pode fazer justiça pelas próprias mãos,diz a lei.Pois não,não se pode,porque não se pode aplicar nenhum tipo de justiça,ela não existe,como aplicá-la?E de tão inexistente que é,criaram uns personagens muito pomposos,os advogados,cuja missão é transformar a verdade em mentira e a mentira em verdade.
E aqueles gestores e banqueiros que roubaram milhões?De quem é a culpa? De ninguém,obviamente,não existem responsáveis.Como poderiam existir responsáveis se também não existe justiça para os julgar? Injectem é mais dinheiro para dar mais uns milhões aos gestores e administradores,e quanto às pessoas que ficaram sem o dinheiro que se fodam...
E agora a grande paródia nacional,justiça,liberdade,direitos e garantias.Sobre a justiça já aqui se falou,haveria muito mais para dizer mas fugiria ao âmbito do que é pretendido de momento.Quanto à liberdade,não compreendo muito bem o que isso é,segundo os cânones actuais.Se dantes se queixavam que não havia liberdade,o que acontece é que actualmente também não a há,há é libertinagem,passou-se do oito para o oitocentos!Qualquer povo deve aspirar a liberdade que engrandeça uma nação e um povo e não à do rebanho,sujeita aos ditames e às modas.Liberdade sim do dever e de sermos nós próprios,agora a liberdade actual não é liberdade,é carneirismo!
Direitos e garantias são uma farsa.Das piores farsas que possam existir,porque quando me vêm dizer que por se ter uma remuneração fixa,por se ser empresário ou isto ou aquilo,já não se tem os direitos e garantias todas.Então paga-se impostos taxas e não se tem direitos? Como pode ser isso?Pode ser porque os coitadinhos que nada fazem e nada querem fazer têm tudo e mais alguma coisa sem contribuir para nada.
Por último gostava que me explicassem uma coisa,como se eu "fosse muito burro",onde está a discriminação?Quem é que é discriminado???

1 comentário:

  1. São os benefícios de 35 anos de estado democrático. Mais democrático para uns do que para outros, mas enfim. Quanto à discriminação, só se admite a positiva, aquela que dá subsídios, integrações, compreensões. Exclusões apenas face aos deveres.

    ResponderEliminar