quinta-feira, 26 de março de 2009

doutrinas políticas-III

A utopia como método político:
O sucesso da obra foi tão grande que algumas pessoas tomaram a história de More muito a sério.Certas almas caridosas quiseram mesmo fretar um navio para ir evangelizar os simpáticos utópicos e fazê-los abandonar a religião natural e aceitar a religião cristã.






"Hoje,demonstrando em relação à obra,sentimentos de admiração mais moderados que os dos seus contemporâneos,diríamos da «utopia» que «se não é a melhor das repúblicas,é a melhor das utopias»(Émile Dermenghen,Thomas More et les utopistes de la rennaissance,Paris,Plon,1927).(...)Primeiro,More criou uma palavra nova que se tornará comum.Ter-se-ia simplesmente podido traduzir «utopia» por «ilha desconhecida».
Por outro lado More,sob a capa da ficção,dotou a política com instrumentos subtis de discussão e de desenvolvimento.Ficarão certamente indicados os traços essenciais do método utópico se dissermos que ele consiste em descrever como existindo num lugar diferente e encarado sob uma perspectiva optimista,tudo o que,através de uma visão crítica,céptica e pessimista,se deplora no sítio onde vivemos.
«Noutro lugar» é a palavra chave que vale para todos os autores de utopias.«Noutro lugar» pode significar o passado.Certas utopias são históricas.«Noutro lugar» pode significar noutras paragens,e a utopia é então geográfica;«noutro lugar»pode significar o futuro.Em todo o caso,nenhum dos utopistas que imitaram Thomas More com mais ou menos sucesso se sentiu à vontade no seu país,no seu meio e no seu tempo.Todos são dominados por uma ideia:a fuga ao imediato,ao quotidiano,ao limitado,ao repetido.A sua imaginação não deve ser censurada!Sem esta não há política.Ela é necessária para prever o futuro,para ultrapassar o real.Logo,não há obra doutrinária sem alguma antecipação e,por consequência,sem um grão de utopia.Os utopistas são por princípio,aqueles que soltam as asas à imaginação,ou melhor,que sistematizam o que imaginam,dando-lhe a consciência do real."

By Marcel Prélot-In Doutrinas políticas.

Sem comentários:

Enviar um comentário